• Marcio David

Pousada PiraAçú - Apui - Amazonas


Local: Pousada PiraAçú - Apui - Amazonas Data: 14 a 17 de Março de 2012

Olá Amigos!

Nossa equipe foi convidada pelos amigos Ronaldo e Rodrigo para fazer uma pescaria de reconhecimento em seu novo empreendimento, uma nova pousada em um rio praticamente inexplorado. No sul do estado do Amazonas, conhecemos o Rio Aripuanã, com seus afluentes e grandes lagos, abrigando gigantescas espécies de peixes e os mais esportivos. Um lugar totalmente preservado e que certamente será um dos melhores roteiros para os praticantes da pesca esportiva. O Rio Aripuanã está próximo a uma das maiores reservas ecológicas do estado. A Pousada Pira Açú, está localizada no município de Apuí, a aproximadamente 550 km da cidade de Porto velho. Nossa viagem foi feita via terrestre a partir do Aeroporto de Porto Velho, mas os pacotes com os turistas vão sai em voo fretado da cidade de Manaus, descendo bem próximo a pousada, onde uma rápida viagem de barco(voadeira) chega até a pousada.

O roteiro de pesca é formado pelas seguintes estruturas:

-Rio principal: Aripuanã. -Rios secundários: Pachiuba, Buiuçú e Guariba. -Lagos: Guariba I e Guariba II.

Épocas: Período da cheia: Janeiro a maio -Peixes de couro - Piraiba, Pirarara, Cachara, Barbado, Jundiá, Jaú, Piranambú, etc. -Peixes de escama - Pirapitinga, Tambaqui Cachorra, Curvina (janeiro, fevereiro e março, depende de caída de frutas nativas), Apapá, Matrinxã, Jatuarana, Cachorra, Curvina (março, abril, maio e junho), etc Período da seca: Junho a Novembro -Peixes de couro - Pirarara, Piraiba, Cachara, Barbado, Jundiá, etc. -Peixes de escama – Tucunaré, Aruanã, Cachorra.(junho a dezembro) Tambaqui, Jatuarana e Pirapitinga (outubro e novembro), isso sem falar no gigantes Pirarucus entre outros.

Lógico que isso não é uma regra, e como todos estão neste rio a muito pouco tempo, muitas surpresas ainda estão por vir.

No último ano, enquanto a pousada estava iniciando as obras, os proprietários Rodrigo e Ronaldo, juntamente com nosso amigo Giovani Papa, exploraram demais a região, colhendo muitas informações importantes para os pescadores, mas hoje, ainda acontecem coisas e grandes peixes são fisgados em locais totalmente atípicos. A Pousada está situada em uma região muito rica, com uma fauna e flora exuberantes, vários rios e muitas espécies diferentes, entre eles,podemos destacar:

Rio Aripuanã -Peixes de Couro: Piraiba, Pirarara, Cachara, Barbado, Jundiá, Piranabú, etc. -Peixes de Escama: Pirapitinga, Tambaqui, Apapá, Tucunaré, Cachorra, Curvina, etc.

Rio Pachiuba: -Peixes de Couro: Cachara, Caparari, Barbado, Jundiá, etc. -Peixes de Escama: Pirapitinga, Tambaqui, Tucunaré, Matrinchã, etc.

Rio Buiuçú: -Peixes de Couro: Cachara, Caparari, Barbado, Jundiá, etc. -Peixes de Escama: Pirapitinga, Tucunaré, Matrinchã, Jatuarana, etc.

Rio Guariba: -Peixes de Couro: Pirarara, Cachara, Caparari, Barbado, Jundiá, etc. -Peixes de Escama: Tucunaré, Matrinchã, Pacu, Apapa, Cachorra, Bicuda etc.

Lagos Guariba -Peixes de escama: Tucunaré, Aruanã, Pirarucu, etc.

Nesta viagem ouvimos muitos relatos dos ribeirinhos, que hoje estão trabalhando para a Pousada, e muitas histórias de Pirarucus acima dos 80 kg, Tucunarés de até 10 kg, Pirararas acima dos 45 kg, grandes Piraíbas, Jaús.... etc.

A cada temporada novas histórias vão surgir e muitas novidades estão por vir.

A POUSADA

A Pousada é composta de 4 apartamentos duplos e 2 apartamentos quádruplos, todos com ar condicionado split, banheiro privativo com chuveiro quente, camas BOX, armários e criado mudo individuais. No refeitório, um grande bar a disposição, internet, telefone global e ar condicionado split. Todos os cômodos da pousada são isolados por tela para proteger o cliente de eventuais insetos. Os barcos são de 5,5m com duas plataformas, cadeiras giratórias estofadas, motor elétrico e motor de popa de 30hp.

A VIAGEM Chegando no aeroporto, fomos muito bem recebidos pelo Leandro, o qual fez o nosso translado até o município de Apuí, sul do Amazonas. Lá fomos recepcionados pelo Sr. Raimundo, morador local e guia da pousada, fizemos uma boa viagem de barco subindo Rio Aripuanã até a Pousada, onde encontramos os amigos e proprietários Rodrigo e Ronaldo. Rapidamente já estávamos instalados no belo chalé, nos preparando para o jantar.

A PESCARIA

Na manhã seguinte, acordamos com uma forte chuva, optamos em não sair para pescar. No decorrer do dia, apenas fizemos um passeio de reconhecimento e vimos que o rio estava muito cheio, em certos pontos a água estava invadindo quase 80 metros da floresta, motivo este que seria bem difícil fazer a pescaria dos peixes de escama, ficando propício para a pesca dos grandes bagres amazônicos. O rio estava inconstante, ora esvaziando, ora enchendo, e para quem tem um pouco de conhecimento sabe que não seria o momento de se fazer uma boa pescaria. Na manhã seguinte, acordamos mais animados, apesar do tempo ruim, a chuva tinha dado uma trégua momentânea e saímos para o rio, subimos o Rio Aripuanã até a cachoeira do Samaúma, ficamos encantados com a beleza do lugar, e antes de encarar as rápidas águas de suas corredeiras, paramos em um ponto para pescar algumas iscas e para nossa surpresa, logo nos primeiros arremessos com as iscas artificiais, fisguei 5 cachorras pequenas, as quais foram nossas iscas nesse primeiro dia, neste mesmo ponto, encontramos um grande cardume de Apapás que também atacaram muito bem as artificiais, assim como os Barbados e os Palmitos que fizeram a festa nos pequenos pedaços de peixe praticamente embaixo do barco.

Iscas pescadas, era hora de ir em busca das grandes Pirararas. Subimos então as corredeiras da Samaúma e bem em meio a arrebentação apoitamos o barco e preparamos nossos equipamentos pesados.

Fizemos os primeiros arremessos, e em meio a uma garoa fina, colocamos as varas nos suportes e começamos a conversar com nosso guia Raimundo, aprendemos muito dobre o lugar, quando percebi que minha linha estava subindo o rio ao invés de descer a correnteza, fiquei atento e quando avara começou a envergar tirei do suporte e quando percebi a vara já estava quase na horizontal, não hesitei e fisguei. O peixe cooperou e subiu o rio arrastando minha fricção, mas devido a forte correnteza, voltou e fez uma briga limpa e bem próxima ao barco e minutos depois o grande rabo vermelho estava nos dando boas vindas. Uma bonita Pirarara que já estava com outro anzol com cabo de aço na boca. Algum outro pescador recente não teve o mesmo sucesso, mas esta estava garantida em meus braços.

Mudamos de ponto, desta vez atravessamos a corredeira, apoitando o barco na outra margem, e novamente iscas lançadas e em menos de 5 minutos o Júnior me diz: -E aí, não vai fisgar??? Quando olhei para minha vara ela estava totalmente envergada, foi até difícil tirar do suporte. Fisguei, confirmei a fisgada e novamente outra boa briga até que outro rabo vermelho surgiu nas rápidas águas do Aripuanã.

Mudamos novamente de ponto, desta vez apoitamos em uma ilha bem em frente a grande cachoeira, arremessamos nossas iscas e por incrível que pareça, foi o tempo de colocar a vara no suporte e ver ela beliscar, pensei que fosse uma Piranha, peguei a vara e esperei, novamente alguns beliscões típicos de Piranhas até que lentamente a vara começou a envergar, fui descendo a vara e fisguei, pensando ser uma Piranha ou outro peixe, mas para minha surpresa, após a fisgada uma longa corrida tomou muita linha da carretilha e uma briga pesada denunciava ser outro peixe de couro. E estava certo, mais uma do rabo vermelho para alegrar a minha manhã e deixar nosso amigo Júnior pensativo, pois eu já estava na terceira Pirarara seguida e a vara dele sequer uma puxada, coisas da pescaria.

Como estávamos testando os pontos, depois desta Pirarara, mudamos para outro ponto, uma grande alagado em uma correnteza muito forte. Arremessamos nossas iscas e elas foram parar bem na margem, embaixo das galhadas. Não demorou muito e a vara do Júnior começou a beliscar, eis a dúvida, era uma Piranha ou uma Pirarara, o Júnior segurou a vara em punho e aguardou, novamente outras beliscadas e assim que o peixe carregou um pouco ele fisgou e o contra ataque foi certo em uma grande corridas fazendo a fricção cantar. Outra briga com uma bela Pirarara nas águas do Rio Aripuanã. Isso porque o rio estava cheio demais, com a água inconstante e muita chuva. Imaginem na época certa com a águas estabilizadas. Só imaginem como deve ser.....

Neste mesmo ponto e no mesmo local de arremesso, mas agora com muita chuva na cabeça, fisguei outro belo exemplar que saiu em disparada entre as galhadas nos obrigando a ligar o motor e correr atrás do peixe. Mais uma Pirarara. Muito além de toda a expectativa. Segundo o Sr. Raimundo essas são pequenas pelas Pirararas que normalmente eles pegam no local.

Descendo uma pouco o rio, em águas mais calmas, paramos na saída de uma ilha para tentar mais algum peixe de couro, enquanto as varas pesadas estavam na espera, ficamos com equipamentos mais leves tentando outras espécies, onde fisgamos alguns Barbados e Palmitos e o Júnior teve o prazer e a sorte de fisgar uma espécie que está em extinção, o bonito Piranambú.

Depois de algumas horas nestes pontos, retornamos para o pé da cachoeira, e o Júnior foi privilegiado com um grande exemplar de Pirarara, animal que faz a fricção da carretilha gritar, cansando o braço de nosso amigo. Um bonito exemplar que deu muito trabalho nas corredeiras.

Na manhã seguinte, novamente muita chuva e nada de peixes de couro, decidimos então conhecer o Rio Pachiuba, e ao navegar pelo rio, todo ele tomado pelas altas águas, notamos um pequeno barranco que estava bem diferenciado e ali tentamos fazer alguns arremessos. Segundo o nosso guia, onde tem terra aparecendo, tem Tucunaré, mas como acreditar, vendo as águas invadindo toda a floresta, normalmente os Tucunarés ficam nos alagados nesta época. Mas quem sou eu para duvidar do conhecimento deste homem nascido na região.

Passamos com o barco lentamente em frente a este barranco e no primeiro arremesso, assim que a isca do júnior caiu na água, uma pequena explosão, ele trabalhou a isca e outro rebojo e um pouco antes de chegar no barco um bonito Apapá atacou a isca.

Voltamos no mesmo ponto e agora em uma isca de meia-água fisguei dois belos Tucunaré e o Júnior outro exemplar com a Zig Zara do Nakamura.

Tucunarés pequenos, mas pela época já estava de bom tamanho. Usando um jig da Extreme Jig's, o Júnior fisgou outro Apapá. A Extreme está fabricando ótimos Jig's, com bons resultados nesta pescaria.

Tivemos mais algumas ações mas sem grandes peixes. Continuamos por navegar pelo Rio Pachiuba, analisando as condições e pontos de pesca. Na temporada da seca este rio será palco de grandes pescarias de Tucunarés e Jatuaranas, isso sem falar nas Pirapitingas e Tambaquis. Retornamos ao nosso "Ponto Mágico", desta vez com uma poita, paramos bem em frente ao barranco e começamos os arremessos. O Júnior optou em usar os Jig's da Extreme e eu as iscas da Deconto, iscas com ótimos resultados na região. Foi uma boa sequencia de ataques, com muitos peixes perdidos e muitos outros fisgados..

Mais uma vez com as Iscas Moro Deconto, uma bonita e valente Bicuda veio para nos proporcionar uma boa briga com muitos saltos. Espécie está que atacou muitas vezes nossas iscas, mas com grande índice de fugas.

A Zig Zara do Nakamura fez a diferença em certos momentos da pescaria, bastava ela cair na água para o ataque ser fulminante. Foram vários Tucunarés nesta isca. A certeza de uma boa fisgada.

EQUIPAMENTOS Eu e o Júnior usamos diversos tipos de equipamentos, entre eles: -Vara Amazon Tucuna 36 lbs - Fleming -Carretilha Abu Garcia -Linha mono 0,45mm Asso Super

-Vara Jaguar 80/100lbs - Albatroz Fishing -Carretilha Senator 113 4/0 - Penn -Linha mono 0,90mm Super Raiglon

-Vara Shift Rapala 8/17lbs -Carretilha Scorpion 1001 - Shimano -Multifilamento 50 libras

-Vara Evomax 40/80 lbs - Marine Sports -Carretilha Okuma Clarion 553-l -Linha mono Max Force 0,92mm

-Vara Evolution Gt 20-60 lbs - Marine Sports -Carretilha Okuma Convector 30 Lx -Linha mono Max Force 0,70mm

-Vara Mirage 10-25 lbs - Rainbow -Carretilha Calais 201 -Multifilamento Power Pro 50 lbs

-Vara Carbon Cub 12/25 lbs 5'6" - Okuma -Carretilha Lubina Gto Tournament -Multifilamento Power Pro 50 lbs

-Vara Carbon Cub 12/25 lbs 5'6" - Okuma -Carretilha Shimano Scorpion 1001 -Multifilamento Power Pro 50 lbs

VOLTANDO A PESCARIA

O nosso "Ponto Mágico" era inacreditável, bastava passar por ali, fazer alguns arremessos e começar a fisgar os peixes, eram Tucunas, Bicudas e Apapás, sempre com boas ações e grandes fisgadas. Mais uma vez a Extreme Jig's e a Deconto fazendo sucesso na boca dos Tucunas e das Bicudas.

Apoitamos nosso barco na saída do Rio Pachiuba, em uma grande praia no Rio Aripuanã, armamos apenas as varas mais leves com pequenos pedaços de peixes. Fisgamos algumas Piranhas, alguns Barbados e eu, assim como o Júnior, fui contemplado com uma bonito e raro exemplar de Piranambú, peixe este em extinção em vários rios de nosso Brasil e que aqui, pelo jeito deve ter uma boa quantidade deles, devido a toda a preservação ambiental.

No dia seguinte, voltamos ao nosso ponto de iscas artificiais, rapidamente fisgamos mais alguns exemplares de Tucunarés nas iscas de superfície. Não importa o tamanho, a explosão de um Tucunaré na superfície é algo fabuloso.

O tempo estava fechando, aproveitamos para uma segunda bateria de fisgadas em nosso "Ponto Mágico" com mais alguns Tucunas, Bicudas e grandes piranhas nas iscas de superfície, e Jig's.

Finalizamos nossa pescaria no Rio Aripuanã mostrando um pouco de toda a beleza que presenciamos neste dias, um espetáculo da natureza.

Aproveitamos para mostrar algumas fotos recentes de grandes peixes fisgados por nossos amigos Ronaldo, Rodrigo e seus amigos, enquanto a pousada ainda estava em fase de obras, e eles pescando e conhecendo os melhores pontos de pesca.Começamos com as grandes Pirararas.

Na época da seca, as grandes Pirapitingas fazem a alegria dos pescadores.

Os grandes Tucunarés, Aruanã e até Filhotes.

Agradecemos aos amigos da Extreme Jig's, Moro e Deconto, Nelso Nakamura pelas iscas fornecidas e muito bem aceitas e com ótimos resultados. Agradecemos de coração toda a hospitalidade da equipe da pousada Pira Açú, em especial aos amigos Ronaldo e Rodrigo, que além de proprietários da pousada são grandes amigos e parceiros do Fishingtur. A Pousada Pira Açú está com vagas abertas para a temporada do segundo semestre de 2012. Entre em contato e venha fazer uma ótima pescaria na época da seca. Há relatos de mais de 150 Tucunaré por dia por dupla. Não perca tempo.

Em breve vamos publicar as datas disponíveis e as datas para você pescar junto com a Equipe Fishingtur neste paraíso da Pesca Esportiva.

Abraços!!!

Marcio David

Fotos: Marcio David e Gilberto Chudi Jr. Texto: Marcio David Edição: Marcio David

AGRADECIMENTOS

Pousada Pira Açú (66) 8401 3499 / 9201 3975 - Ronaldo (66) 9996 1049 / 8422 4072 - Rodrigo

#RioAripuana #PousadaPiraAçu #Amazonas #Viagem #Amigos #Pescaria #Natureza #Aventura

boias de pesca, boia cevadira, boia torpedo
Carretilhas de Pesca Penn
Contato Fishingtur

Parceiros

universo da pesca.png
ESTILO GOIANO.png

O maior portal de Pesca e Turismo do Brasil

Fishingtur Pesca e Turismo 2019